Foto:
02/10/2017 07:58
SECRETÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MÔNICA SEMELER, PARTICIPA DA MOBILIZAÇÃO DO "DIA D" EM DEFESA DO SUAS EM CUIABÁ

De acordo com a Secretária Municipal de Assistência Social Mônica Semeler, o objetivo é alertar a comunidade local quanto aos riscos enfrentados pelo SUAS e que vão impactar, consequentemente, na gestão da política local da Assistência Social.

A cobrança pela recomposição do orçamento federal para o custeio do SUAS vem mobilizando diferentes agentes que atuam na rede da Assistência Social, a exemplo, o Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social, os Colegiados Estaduais e Secretarias Municipais de Assistência Social, o Fórum Nacional de Secretários de Estado da Assistência Social (Fonseas), além, também, do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS).

Repúdio

No último dia 21 de setembro o CNAS divulgou uma nota de repúdio contra os cortes na proposta orçamentária de 2018. De acordo com o Conselho, a Assistência Social representa cerca de 13,9 milhões de famílias beneficiadas do Programa Bolsa Família, quase 14 mil entidades de Assistência Social no Brasil, 5.570 municípios que ofertam serviços diariamente e mais de 600 mil trabalhadores no Sistema Único de Assistência Social – SUAS.

Pelas estimativas do Conselho Nacional, caso o corte orçamentário seja aprovado pelo Poder Legislativo Federal, apenas na área de proteção básica serão 2 milhões de pessoas afetadas em diferentes municípios do país. No Cadastro Único, que é a porta de acesso para os programas federais da Assistência Social, “a ausência de recursos dificultará a inclusão e a atualização de informações sobre famílias de baixa renda, prejudicando o acesso aos programas sociais”, menciona o CNAS. Já no Programa Bolsa Família são pelo menos 170 mil famílias que deixarão de ser acompanhadas.

Texto/Fonte: Assessoria de Imprensa